As taxas médias de juros cobradas pelos bancos, excluindo o crédito imobiliário e rural, e a inadimplência avançaram em março e atingiram o maior patamar da série histórica do Banco Central, que começa em março de 2011, segundo números divulgados pela autoridade monetária nesta quinta-feira (28). Deste modo, atingiram o pior patamar em cinco anos.
De acordo com o BC, os juros bancários médios, sem contar crédito rural, imobiliário e do BNDES, cresceram 0,3 ponto percentual em março deste ano, para 50,9% ao ano.

Já a inadimplência destas operações, para pessoas físicas e para empresas, atingiu o patamar de 5,6% em março. Em ambos os casos, são os maiores níveis da série histórica.

O aumento da inadimplência das empresas e das famílias acontece em um momento de forte recessão na economia brasileira. No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 3,8% e, para este ano, a previsão de economistas é de um tombo maior ainda.

Ao mesmo tempo, a taxa de desemprego superou 10% no trimestre encerrado em fevereiro deste ano.
O BC informou que a taxa de inadimplência das pessoas físicas, nos empréstimos bancários com recursos livres (sem contar crédito rural e habitacional), que mede atrasos nos pagamentos acima de 90 dias, somou 6,2% em março – o maior patamar desde junho de 2013, quando somou 6,3%.

Já a taxa de inadimplência de empresas subiu de 4,8% em fevereiro para 4,9% em março, o maior nível desde o início da série – em março de 2011.
.

Fonte: G1