O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, atingiu 0,52% em julho. No mês anterior, o IPCA havia chegado a 0,35%, segundo informou nesta quarta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Com este resultado, o acumulado no ano foi para 4,96%, menor que os 6,83% registrados em igual período do ano anterior.

Considerando os últimos 12 meses, o índice é de 8,74%, pouco abaixo dos 8,84% relativos aos 12 meses imediatamente anteriores. Em julho de 2015, o IPCA registrou 0,62%.

De acordo com Eulina Nunes, coordenadora de índices de preços do IBGE, a “culpa” de a inflação voltar a ganhar força em julho é “especialmente” do feijão e do leite. “Na verdade, os alimentos aumentaram muito e vários, mas o feijão e o leite se destacaram”, disse.

Recorde de alimentos e bebidasCom 65% de participação no IPCA do mês, o grupo alimentação e bebidas registrou a mais elevada variação para os meses de julho desde 2000, quando a alta atingiu 1,78%. Em julho de 2016, inflação de alimentos e bebidas chegou a 1,32%.

Em julho, o leite foi a principal contribuição individual na inflação do mês, com aumento de 17,58%. Em segundo lugar, destacou-se o feijão, com alta de 32,42%, informou o IBGE.

O arroz também mostrou aumento de 4,68% na média. “Com isto, o feijão com arroz, prato típico da mesa do brasileiro, passou a custar bem mais”, analisou o instituto.

O clima está se sobressaindo mais do que a demanda”
Eulina Nunes, coordenadora no IBGE
“Mas não só o arroz com feijão, a gente tem aumento nos ovos, no pão, farinha de trigo, no frango”, disse Eulina.Segundo ela, em geral, no mês de julho, os alimentos tendem a puxar as taxas do IPCA para baixo.

“É período de oferta maior de alimentos, o que faz com que os preços se estabilizem ou até se reduzam. Neste mês de julho, especialmente, a taxa dos alimentos foi para 1,32% por função de problemas climáticos que afetaram as lavouras.

É menor oferta de forma geral provocada pelo clima”, explicou.
“O feijão carioca é o mais consumido [no país], e ele está pressionando os outros também porque as pessoas estão optando por outros tipos de feijão porque ele está muito caro”, diz Eulina.

Eulina explica que o preço do feijão sobe por escassez de oferta. “Chuva na época de plantio, seca quando estava mais para frente, que acabou com as lavouras em abril mais ou menos, e teve frio, geada, porque o Paraná é o principal produtor do feijão”.

No caso do leite, Eulina afirmou que o motivo de o preço estar mais caro também é a escassez provocada por questões climáticas.
A coordenadora explicou ainda que o leite tem mais peso que o feijão sobre o total da inflação.

Por isso que mesmo com variação menor do que a feijão, o leite foi o primeiro no ranking de maior impacto no IPCA do mês de julho.Por regiõesA maioria das regiões pesquisadas pelo IBGE ficou acima do IPCA geral, segundo Eulina, e apresentou aceleração na taxa de um mês para outro, com exceção de São Paulo, devido à queda no preço da energia elétrica.

“O que se traduz que [a região metropolina de] São Paulo foi muito importante no sentido de contribuir na contenção da taxa do mês de julho. Energia elétrica tem peso muito grande no orçamento das famílias, e apresentando redução em algumas regiões, entre elas, São Paulo, levou o resultado do grupo [habitação].

Quer dizer, as despesas de moradia ficaram um pouco mais baratas de junho para julho”, diz a coordenadora de índices de preços.Mais baratosEntre os produtos que ficaram mais baratos de um mês para o outro, destacam-se a cebola, com -28,37% e a batata-inglesa, cujos preços caíram 20%.

Eulina Nunes ressaltou que a carne também está na contramão dos aumentos e não vem causando pressão sobre a inflação. A redução foi de 0,69% no mês.

“As pastagens estão ruins, custo de produção aumentando muito e aí estão muitos deles abatendo o gado e tem maior oferta no mercado e o preço cai. Então, não está havendo pressão forte da carne.

O preço da carne não vem subindo”.
Outros que caíram foram cenoura (-13,4%), hortaliças (5,65%), frutas (-3,28%), óleo de soja (-2,06%) e pescado (-0,63%).

Fora dos alimentos, também tiveram queda de preços energia elétrica residencial (-3,04%), seguro de veículo (-1,13%), roupa feminina (-1,1%), automóvel novo (-0,67%), etanol (-0,49%) e gasolina (-0,39%).Outras altasAlém dos alimentos, outros três grupos mostraram aceleração na taxa de crescimento de um mês para o outro: despesas pessoais (de 0,35% para 0,7%), artigos de residência (de 0,26% para 0,53%) e transportes (de -0,53% para 0,4%).

Nos transportes, grupo de maior peso no orçamento das famílias depois dos alimentos, as pressões foram exercidas pelos seguintes itens: passagem aérea: 19,22%, ônibus interestadual: 8,21%, pedágio: 3,99%, ônibus intermunicipal: 0,81%, emplacamento e licença: 0,79% e conserto de automóvel: 0,58%.Segundo o IBGE, no caso das tarifas de ônibus interestadual, o aumento de 8,21% é decorrência do reajuste de 9,04%, que entrou em vigor a partir do dia 1º de julho.

INPCO IBGE também divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que variou 0,64%, depois de avançar 0,47% em junho. No ano, o índice acumula alta de 5,76% e, em 12 meses, de 9,56%.

Em julho de 2015, o INPC ficou em 0,58%.PRINCIPAIS ALTAS (variação de preços, em julho e no ano, em %):Feijão-preto 41,59 e 84,69Feijão-carioca 32,42 e 150,61Feijão-mulatinho 18,89 e 119,22Leite longa vida 17,58 e 48,98Feijão-fradinho 14,72 e 41,88Leite condensado 9,87 e 27,03Fubá de milho 7,11 e 25,49Manteiga 5,72 e 52,05Leite em pó 5,26 e 12,34Arroz 4,68 e 11,11Bolo 3,97 e 9,37Ovos 3,87 e 15,54Alho 3,54 e 40,96Chocolate em barra e bombom 3,48 e 19,04Açúcar refinado 3,38 e 19,25Cafezinho 2,52 e 9,61Queijo 2,34 e 8,58Café da manhã 2,32 e 6,42Chocolate e achocolatado em pó 1,92 e 11,29Açúcar cristal 1,69 e 15,87Margarina 1,44 e 11,65Refrigerante 1,29 e 6,77Pão francês 1,18 e 5,19Macarrão 1,05 e 6,96Farinha de trigo 1 e 5,11Frango inteiro 0,91 e 0,6Café moído0,90 e 11,04Iogurte 0,89 e 10,17Farinha de mandioca 0,85 e 36,52Carnes industrializadas 0,74 e 4,26Lanche fora 0,72 e 6,91Biscoito 0,51 e 5,92
.

Fonte: G1