O Ministério do Trabalho informou nesta quinta-feira (11) que chega a 6,5 mil o número de trabalhadores em “situação irregular” na Olimpíada do Rio de Janeiro (RJ). Segundo o governo, os problemas encontrados até o momento foram jornada de trabalho excessiva; local inadequado para alimentação; falta de pausa para refeições e descanso; e ausência de registro de ponto.
“Estamos analisando também o tipo de contrato feito com esses funcionários.

Dependendo da documentação apresentada pela empresa e pelo Comitê Olímpico, que nós já solicitamos, a situação desses empregadores pode se agravar”, afirmou o chefe do setor de fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro, Márcio Guerra.
De acordo com ele, os trabalhadores estavam a serviço de duas empresas de alimentação, que fornecem a maior parte das refeições servidas no evento.

Funcionárias passam horas em pé, sem cobertura e até oito horas sem comida (Foto: Divulgação/Ministério do Trabalho e Emprego)InvestigaçãoNa quarta (10), o Ministério do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho anunciaram investigação sobre as condições de jornada dos funcionários que atuam na venda de alimentos na Rio 2016. Estava previsto para o mesmo dia que uma das empresas responsáveis pelo serviço assinasse um termo de ajustamento de conduta para melhorar as condições de trabalho dos seus funcionários.

 OLIMPÍADA RIO 2016Cidade recebe os Jogos entre 5 e 21/8
Entre as melhorias exigidas estão a garantia do acesso dos trabalhadores ao refeitório e fornecimento de água e alimentação saudável duas vezes por dia (para jornada de oito horas) ou até três, em casos de jornada de 12×36 horas. Além disso, as empresas devem providenciar tendas, bonés e protetores solares, assentos para descanso dos trabalhadores e adoção do registro de ponto eletrônico.

De acordo com o  Ministério do Trabalho, foram constatados problemas no Engenhão, no Maracanã, em  Deodoro e na Arena Olímpica.
A Man Power Group, empresa de recursos humanos que é citada em seu site como recrutadora oficial para a Olimpíada, foi convocada para prestar esclarecimentos, assim como a Food Team (já autuada por problemas do mesmo tipo no Parque Olímpico), a Dicas do Chefe e a Marzan, especializada em limpeza.

A Man Power Group informou que não foi notificada formalmente pelo Ministério Público do Trabalho.
A Food Team informou que “está integralmente dedicada à solução dos problemas encontrados na operação e que as melhorias já podem ser percebidas desde ontem [terça-feira]”.

A empresa foi criada em 2013 e também teve problemas na Copa.AutuaçãoO próximo passo, acrescentou o governo, será autuar os empregadores.

“Não conseguimos finalizar as autuações ainda, pois é necessário lavrar um auto de infração para cada trabalhador irregular. Assim que terminarmos, teremos o número exato de empregados atingidos e das autuações e multas aplicadas”, explicou Guerra.

Cachorro-quente servido a funcionários em Deodoro em caixas de papelão, sem higienização (Foto: Divulgação/Ministério do Trabalho e Emprego)
O chefe do setor de fiscalização da Superintendência do Rio de Janeiro disse que as fiscalizações têm sido diárias. Por isso, ele acredita que o número de trabalhadores em situação irregular ainda irá aumentar até o final dos Jogos.

“Não estamos fiscalizando apenas nas arenas, mas também nos eventos paralelos ligados às Olimpíadas. Por isso, acreditamos que a quantidade de trabalhadores flagrados em situação irregular fique ainda maior”, avaliou ele.

Os auditores-fiscais do trabalho estão verificando as questões ligadas à jornada de trabalho, os aspectos de segurança e saúde e o tipo de contrato firmado com os trabalhadores, que precisa ser formalizado de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).
.

Fonte: G1