O presidente em exercício, Michel Temer, informou nesta quarta-feira (22), por meio de sua conta no microblog Twitter, medidas de estímulo à importação do feijão, para reduzir o preço. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, explicou que o governo estuda a retirada de impostos e taxas cobrados dos produtos vindos de países como China e México.
De acordo com o IBGE, que mede a variação nas capitais, o preço do feijão subiu 33,49% no ano até maio.

No acumulado dos últimos 12 meses até maio, a alta é de 41,62%.A alta é resultado de problemas climáticos, que vêm reduzindo a produção do feijão no Brasil.

O aumento de preços atinge o prato típico dos brasileiros, o feijão com arroz, e dificulta principalmente a vida dos consumidores de baixa renda, que, acuados pela recessão e pelo desemprego, cortam a compra de itens supérfluos no supermercado.
Maggi deu detalhes da medida a jornalistas após reunião com Temer no Palácio do Planalto.

Ele informou que a prioridade será trazer o feijão do Mercosul, da Argentina e do Paraguai, por exemplo, mas o Brasil já não cobra imposto das importações vidas dos países do bloco.O ministro não explicou como será feito o estímulo no caso do feijão produzido no Mercosul.

Segundo ele, se as importações vindas do bloco não forem suficientes, aí sim o governo incentivaria a chega de feijão vindo de outros países, entre eles México e China, por meio da redução do imposto de importação.
“Por sugestão do presidente Temer, vamos, através do Planejamento e da Fazenda, retirar os impostos e taxas cobrados de outros lugares, da China e México, além de outros países também”, disse ele.

A retirada do imposto de importação barateia o produto importado e facilita a chegada dele ao país. A expectativa é que, com mais oferta no mercado, o preço do feijão caia.

Maggi informou que a desoneração deve durar “no máximo por 90 dias”, prazo em que, acredita ele, a crise que gera o encarecimento seja revertida.
O encarecimento do produto tem sido um dos temas mais comentados nas redes sociais.

No Twitter, o assunto gerou a hashtag “TemerBaixaOPreçoDoFeijão.” Em sua conta do microblog, o presidente em exercício também utilizou a hashtag ao anunciar a importação.

A importação para combater a falta de produtos agrícolas e forçar a queda de seus preços não é novidade. Ela foi adotada com o próprio feijão em 2013, por exemplo, quando houve quebra da safra no Brasil e, consequentemente, o custo disparou.

Domínio brasileiroMaggi informou ainda que o mercado de feijão, no Mercosul, é muito pequeno, dominado por empresas do Brasil. O ministro disse ser importante dar estímulos para que as grandes redes de supermercados e atacadistas possam buscar o produto em outros países para “quebrar um pouco esse monopólio do feijão no Brasil”.

“Normalmente, não temos estoque porque é um produto altamente perecível”, disse.
Outra medida que está sendo tomada, de acordo com Blairo Maggi, é negociar com grandes redes de supermercado para que busquem o produto onde há maior oferta.

Milho mais caro tambémApós o encontro com Temer, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, informou também que “outro problema” que o governo deve enfrentar nos próximos meses é a alta do custo da saca do milho, em razão da “quebra da safra”.
Segundo o ministro, a saca, que antes custava entre R$ 25 e R$ 30 na Região Sul do país, por exemplo, passou para R$ 60, o que, para ele, tira a competitividade e cria “dificuldades” tanto para os produtores venderem quanto para quem precisa comprar milho.

“Vamos atuar na política de preços mínimos. Nós vamos subir os preços mínimos para que os produtores se entusiasmem e plantem mais.

[Além disso], criaremos as condições de importação, num segundo momento, para não deixar o preço passar muito acima do razoável”, declarou.Reunião no PlanaltoO anúncio de Temer pelo Twitter nesta quarta ocorreu no momento em que o presidente em exercício estava reunido, no Palácio do Planalto, com pelo menos sete ministros da área econômica, entre eles Henrique Meirelles (Fazenda) e Blairo Maggi (Agricultura), além de José Serra (Relações Exteriores).

Esta não foi a primeira vez que o presidente em exercício utilizou o microblog para fazer anúncios oficiais do governo.
Na última segunda (20), Temer acessou sua conta na rede social para informar que o Executivo federal e os governos estaduais haviam chegado a um acordo sobre a negociação da dívida dos estados com a União, estimadas em mais de R$ 400 bilhões.

Na série de mensagens, ele informou, por exemplo, que o pagamento das dívidas seria suspenso por seis meses.’Baixa o preço do feijão’Desde o início da manhã, o assunto “Temer baixa o preço do feijão” está no chamado “trending topics” do Twitter, que são os temas mais comentados na rede social em um determinado momento do dia.

Por volta das 12h desta quarta, por exemplo, era o quinto assunto mais falado entre os usuários brasileiros.
Na mensagem na qual anunciou a importação do feijão para combater a alta do preço, Temer também utilizou a hashtag “TemerBaixaOPreçoDoFeijão”.

.

Fonte: G1