Neste ano, a gripe H1N1 chegou mais cedo que de costume ao Brasil. Algumas pessoas já ficaram gravemente doentes e outras morreram em consequência da doença. É esperado que haja dúvidas sobre prevenção, tratamento e todos os outros aspectos desse tipo de Influenza, por isso, separamos as respostas das mais importantes. Veja a seguir.

O que é H1N1? 

H1N1 é um tipo de cepa da Influenza A, que assim como a Influenza B, é um subtipo da Influenza, o vírus da gripe. Existe também a influenza C, que acomete animais.

Por que a gripe tem esse nome diferente? 

O “H” do H1N1 vem de “Hemaglutinina”, um tipo de proteína que faz parte do vírus. O “N”, por sua vez, é derivado de “Neuraminidase”, um ácido que também compõe a estrutura viral.

Existem catalogados 15 tipos de hemaglutinina e 9 tipos de neuraminidase. Esses “H” e “N” podem se combinar de várias maneiras diferentes, fazendo com que existam diversas cepas de gripe A. No caso, o H1N1 é a combinação do H1 com o N1.

O H1N1 é mesmo mais grave que outras gripes?

Antigamente, o H3N2 era o tipo mais grave de vírus da gripe, seguido pela Influenza B e, depois disso, pelo H1N1. Depois da mutação que causou a pandemia do H1N1 no ano de 2009, houve um agravamento da doença causada por essa cepa.

Nos dias de hoje, a gravidade causada pelos diferentes subtipos de Influenza A e B são os mesmos quando se avaliam pessoas em uma mesma faixa etária, com as mesmas doenças prévias e a mesma imunização anterior. Ou seja, não há evidências científicas que ele seja, de fato, mais letal.

Por que a gripe H1N1 chegou mais cedo esse ano? 

No Brasil, costuma ser esperado que o pico da gripe ocorra na semana de número 28, que acontece em julho. Este ano, assim como em algumas outras temporadas, houve uma antecipação do início da circulação do vírus Influenza e espera-se também que o pico chegue mais cedo.

Algumas das hipóteses para esse adiantamento são o fenômeno El Niño, que antecipou a temporada de chuvas, e a baixa circulação da cepa nos últimos anos, o que acaba contribuindo para uma diminuição da imunidade da população em geral.

Por que a doença é mais grave em alguns anos e branda nos outros? 

Não se sabe exatamente o motivo, mas é normal que o vírus da gripe intercale anos em que sua circulação é mais alta e outros em que ele aparece bem menos. A gravidade e letalidade causada por ele é proporcional à sua circulação, e é por isso que a mortalidade média causada por ele a cada ano tem uma grande variação, indo de 250 a 500 mil.

Como se pega H1N1? 

A transmissão do vírus H1N1 é respiratória, ou seja, ele pode ser passado pela tosse, pelo espirro ou mesmo pela simples respiração. Além disso, as superfícies, como maçanetas, brinquedos e objetos em geral, podem ficar contaminadas com a cepa, que é levada para o corpo quando você coloca a mão na boca ou nos olhos, por exemplo.

Preciso correr para me vacinar?

A vacina é a principal forma de prevenção do H1N1 e o ideal é que ela seja tomada antes do pico de circulação de Influenza, que não se sabe exatamente quando será esse ano. No entanto, o cuidado não deve se tornar desespero. Caso você pertença ao grupo de risco, tome o quanto antes, caso contrário, espere pela campanha.

Quais tipos de vacina existem? 

Existem basicamente três tipos de vacina: a vacina tetravalente, a trivalente e a adiantada. A tetravalente protege contra o H1N1, o H2N3, a cepa de Influenza B Yamagata e a cepa de Influenza B Victoria. A vacina trivalente protege contra todos esses, exceto a Yamagata. O recomendado é sempre optar pelo maior espectro de proteção, mas a vacina tetravalente está disponível apenas em clínicas particulares.

A vacina adiantada, por sua vez, está sendo dada com doses que sobraram do ano passado a fim de antecipar a vacinação, para que ela aconteça antes do pico de Influenza. Essas doses estão dentro da validade e funcionam contra o H1N1, uma vez que a cepa mutou pouco do ano passado para cá e ainda responde bem à imunização, mas houve mudança na cepa de Influenza B e H3N2, por isso essas pessoas precisarão se vacinar novamente com as doses desse ano.

Por quanto tempo a vacina de gripe me protege? 

Diferente de outras vacinas mais duradouras, a vacina da gripe tem duração média de um ano no corpo humano, sendo necessário vacinar-se novamente depois desse tempo. Isso acontece por três fatores principais:

-A alta mutação das diferentes cepas de Influenza, que deixam de responder da mesma forma às vacinas;

-A produção da vacina, que não é feita com uma proteína pura e, por isso, tem menor durabilidade no corpo;

– A vigilância da Organização Mundial da Saúde, que diz todos os anos quais são os tipos que mais circularão e precisam de maior prevenção.

Quais são os sintomas de H1N1? 

São semelhantes aos de uma gripe comum, mas podem ser mais fortes. É esperado que o adulto sinta febre, dor no corpo, dor de garganta, entre outros, e que as crianças tenham bastante otite. No entanto, a doença também pode se manifestar de outras formas pouco usuais, com alteração cardíaca ou falta de ar, por exemplo.

Quais as chances de ficar gravemente doente por causa do H1N1? 

As chances são maiores caso você pertença ao grupo de risco. Espera-se que esse ano a vacina atinja jovens com menos de 49 anos como doenças prévias como obesidade, cardiopatia, problemas respiratórios, entre outros.

Como é o tratamento da doença? 

Se você não está no grupo de risco e os sintomas forem leves, a doença pode ser tratada da maneira tradicional, com repouso, alimentação leve e medicamentos para aliviar os sintomas. Mas caso você esteja nesses grupos, procure o serviço médico o quanto antes. É indicado que a terapia antiviral, feita com o remédio tamiflu, seja iniciada o quanto antes para evitar que o vírus, de rápida evolução, cause danos maiores à saúde.

Fonte: Bolsa de Mulher