O julgamento em apelação de Francesco Schettino, capitão do navio Costa Concordia, cujo naufrágio em 2012 deixou 32 mortos, foi iniciado nesta quinta-feira (28) em Florença. Ele foi condenado há um ano a 16 anos de prisão em primeira instância.
Schettino, chamado pela imprensa de “o capitão covarde”, indicou que não deseja participar deste novo julgamento.

Um de seus advogados, Saverio Senese, se negou a fazer declarações ao chegar ao tribunal.
Esta primeira audiência será uma sessão bastante técnica.

O acidente ocorreu em 13 de janeiro de 2012, quando o capitão do navio de 114.500 toneladas decidiu se aproximar da ilha italiana de Giglio, na Toscana, uma manobra arriscada que provocou a colisão do barco contra os recifes.

Schettino citou “motivos pessoais” para justificar sua ausência nas audiências deste julgamento em apelação, segundo um texto que apresentou ante as autoridades judiciais e que os meios de comunicação italianos conseguiram ter acesso.
“A menos que os juízes considerem útil minha presença”, acrescentou no documento.

Schettino tomou esta decisão para evitar a “superexposição midiática” da qual foi alvo no julgamento em primeira instância em 2013.
“Vamos pedir para que sejam redefinidas as responsabilidades de todos os protagonistas deste caso, e não apenas a de nosso cliente”, disse à AFP Donato Laino, um dos advogados de Schettino, o único acusado pelo naufrágio do Costa Concordia.

Os advogados apresentarão o naufrágio como o resultado de um “acidente organizacional”. Alegarão que a responsabilidade também é da companhia Costa, dos diretores do porto vizinho de Civitavecchia e do timoneiro indonésio do barco.

.

Fonte: G1