O Google está levando adiante a ideia de co-desenvolver seu próprio processador móvel. De acordo com uma reportagem do The Information, nesse trimestre a gigante de tecnologia teria mantido reuniões com uma série de parceiros de hardware e exibido alguns conceitos com o interesse de usá-los para futuras versões do Android.
Enquanto o Google já firmou uma parceria anual com fabricantes de hardware para seus telefones Nexus (duas esse ano: LG e Huawei), um passo desses seria um novo nível de envolvimento para a companhia.

De acordo com a matéria, grande parte da discussão resultou da vontade da empresa em desenvolver um “dispositivo corporativo” criado quase que exclusivamente dentro do Google. Vale lembrar que o tablet da companhia, o Pixel C, parece ser um primeiro passo nesse caminho.

E como o seu “Android for Work”, o Google parece dar um passo maior dentro do espaço corporativo. Outra questão a se refletir é que quando companhias compram dispositivos em uma ampla quantidade para os seus negócios, elas querem consistência em software e atualizações em tempo real – algo que muitos buscam quando optam ou migram para a Apple.

Para o Google oferecer esse tipo de integração, não seria possível deixar todo o trabalho para seus parceiros, tendo em vista que empresas querem que o seu fornecedor invista tempo e esforço em manter seus dispositivos e softawre.
Dessa forma, o Google precisaria tanto de um parceiro em chip e foco na implementação de novos designs.

Por que isso importa
Ao longo dos anos, o Google tem procurado exercer cada vez mais controle sobre o ecossistema Android. E não sem mérito – o Android é ainda fragmentado e muitas fabricantes de hardware e operadoras esperam para liberar atualizações e novos recursos.

Se o Google conseguir alguns parceiros que concordem usar seu próprio chip, isso poderia empurrar seu sistema operacional a mais empresas e dar uma melhor experiência a consumidores.

.

Fonte: Computer World